E a Saga Continua

Contar uma história sozinho é apenas contar um ponto de vista, uma versão. Com o depoimento de vocês fica mais evidente e completa do que apenas escrita por mim. Obrigado por sua compreensão nesse sentido compartilhando suas lembranças comigo.
Percebam que isso funciona como quando assistimos a uma matéria de telejornal. Conhecemos apenas um ponto de vista totalmente subjetivo. Quando você procura assistir vários jornais falando da mesma notícia é que você percebe partes omitidas ou adicionadas e então você acorda para o mundo concluindo que tudo é um enorme livro aberto onde alguns escrevem o que nem sempre é a verdade mas que muitos iram ler e acreditar. O jornalismo nada mais é do que uma boa ficção ;-)
Passamos por muito e por mais difícil que parecesse atravessamos todos juntos. Sempre pude contar com vocês e por isso agradeço de coração a cada um dos integrantes da Federação dos Planetas Unidos, sejam federativos, sejam klingons, sejam ferengis, sejam vulcanos, romulanos, andorianos, orianos, sejam dissidentes ou o que forem, que de alguma forma participaram e ainda participam dessa jornada, pois nunca deixaremos de ser trekkers. Obrigado por terem dividido esse sonho comigo, obrigado por vocês existirem.
Caro Carlos:
Estava lá na casa da comadre Yáscara, naquela época um apartamento muito aconchegante, quando fui apanhado de surpresa com a notícia, vinda dela, de que haveria uma reunião dos fãs de Star Trek. Não me lembro quando foi isso, mas já faz um tempão…
Chegamos lá e vimos várias pessoas, como nós, ansiosos por saber o que iria acontecer. Vimos filmes da série original, respondemos perguntas sobre qual o primeiro episódio de Jornada nas Estrelas a ser televisionado, que, para quem não sabe, era “O Sal da Terra” e fizemos vários amigos, que, apesar de não nos vermos muito, serão sempre considerados amigos do peito.
É isso o que eu tinha a dizer.
Vida longa e próspera!
Renato Nascimento
Lembro do primeiro encontro, quando o fã-clube ainda era para ser uma subsidiária da Frota Estelar Brasil de São Paulo… a apresentação do Auditório Brasílio Itiberê foi divertida e promissora, um contato com o mundo trekker em uma época em que a série havia voltado à TV (na extinta Rede Manchete) mas que não parecia ter muitas perspectivas de futuro por aqui… afinal isso foi antes da explosão das TVs à cabo e apenas uns poucos episódios da Nova Geração estavam disponíveis em fita VHS.
Aquele foi apenas o ponto de partida, um gatilho que motivou o encontro de um grupo de pessoas que iria crescer e fazer tantas coisas… se encontrar muitas vezes, dividir idéias e possibilidades, assistir fitas e fazer uniformes, além de realizar convenções… enquanto o mundo de Jornada nas Estrelas crescia e se alterava também, à distância.
Tudo isso mudaria com o tempo, e hoje todos podemos não apenas ver a totalidade das séries e filmes passados no nosso futuro favorito, como também temos a oportunidade de adquiri-las em DVD e guarda-las em nossas coleções.
No decorrer desses anos o fã-clube permaneceu como um dos focos de contato com esse mundo fictício, que continuou conforme os encontros diminuíam de freqüência e persistiam cada vez mais só as amizades surgidas a partir dessa afinidade com um universo que pode ser irreal, mas que continua a ser um lugar que todos conhecemos em nosso imaginário.
O tempo passou e muitos nem entram (ou querem entrar) em seus uniformes da Federação… mas esse futuro ainda está lá em nossa imaginação, assim como as lembranças de nossos anos no fã-clube continuam lá em nossa memória…
Vidal Costa

Leave a Reply